banner Comissão Oceanográfica Internacional (COI/UNESCO)

Comissão Oceanográfica Internacional (COI/UNESCO)

As consequências dos impactos antrópicos nos oceanos: Poluição e Sobrepesca


Comissão Internacional Oceanográfica foi criada em 1960 como um órgão com autônomo dentro da UNESCO. Sendo o único órgão competente para ciência marinha dentro da ONU. O objetivo da Comissão é promover a cooperação internacional e coordenar os programas de pesquisa, serviços, sistemas de observação, mitigação de impacto e capacitação, com a finalidade de aprender mais sobre os recursos naturais das zonas costeiras e oceânicas e fazer usufruto de maneira eficiente destes.

Estes conhecimentos são aplicados para promover melhorias na gestão dos recursos marinhos e na proteção destes ambientes nos processos de decisão de seus 148 Estados Membros. Promovendo, assim, o desenvolvimento sustentável do meio marinho, principalmente para países em desenvolvimento.

Gabriel Grellet

Meu nome é Gabriel, tenho 19 anos, estou cursando o segundo ano do curso de bacharelado em Ciências Biológicas com ênfase em Biologia Marinha e Gerenciamento Costeiro, na UNESP-Campus do Litoral Paulista. Comecei a simular no ensino médio, no PoliONU. E em 2018 participei da primeira edição do USPMUN. Além disso, já estagiei (e estou estagiando) em ONGs de conservação marinhas e também atuei como professor do cursinho popular Caiçara. Obtive esse interesse nas simulações, justamente porque vi nelas uma oportunidade espaço de debate crítico. Nestas, trago temáticas não habituais e negligenciadas pela comunidade internacional, sendo muitas destas de cunho socioambiental. Meu objetivo principal é fazer com que os delegados absorvam dessa temática, compreendam a problemática e reflitam quanto a atual sociedade de consumo e quais os impactos esta gera.

Nicole Gomes

Meu nome é Nicole Pudo Gomes, tenho 19 anos e estou no meu segundo semestre da Fundação Getúlio Vargas (FGV) no curso de direito em São Paulo. É a primeira vez que sou diretora da USPMUN e primeira vez que participo do evento também, mas, com certeza, não é minha primeira vez em simulações. Já participei como delegada da SiNUS (Brasília - 2016) e da SPMUN (São Paulo - 2016). Além disso, participei de muitas edições do PoliONU (São José dos Campos - São Paulo), como Staff (2014), Delegada (2015), Secretária Geral Executiva (2016) e Diretora (2017), uma vez cada. Também participei do PoliONU Teen quando estava no meu Ensino Fundamental II, sendo Staff em uma edição e Delegada em duas, Secretária Geral Executiva uma vez e Diretora também uma vez. Com certeza, todas essas participações fizeram eu perceber minhas habilidades e minhas inseguranças e acabei por me conhecer mais, e entendi melhor o que eram as coisas que me davam aquela adrenalina gostosa, e que me faziam sentir satisfeita e pertencente a algo. Hoje curso direito e faço parte do Centro Acadêmico do curso de direito da FGV, e tenho outros gostos além de debater e discutir problemáticas mundiais, gosto de fotografia e estudar temas ligados com meio ambiente e principalmente acerca de direito dos animais, um tema tão importante e que expõe tantas atrocidades, e mesmo assim, tão negligenciado. Acredito que o mundo não irá melhorar suas questões de desigualdades e problemas ambientais apenas com acordos internacionais, é preciso que cada um seja um exemplo daquilo que acredita e que possa ter ações condizentes com o que fala, por isso para mim é tão importante alguns movimentos dos quais participo, como o feminismo e o veganismo.